Aborto

Como é feito um aborto em Espanha?

Interrupção voluntária da gravidez. Como é feito um aborto em Espanha?

O aborto é legal em Espanha (de acordo com a Lei Orgânica 2/2010, de 3 de março, da saúde sexual e reprodutiva e da interrupção voluntária da gravidez) se a mulher o solicitar até às 14 semanas. A partir das 14 semanas poderá ser feito por razões médicas (malformação do feto, doença da mãe, etc.), com diferentes prazos.

A Interrupção Voluntária da Gravidez (IVG) é um procedimento que visa interromper uma gravidez indesejada. Deve ser levada a cabo por médicos especialistas ou sob a sua direção, utilizando uma técnica adequada e seguindo os critérios de qualidade sanitária. As técnicas da IVG variam em função, sobretudo, das semanas de gestação e da vontade das pacientes e dos profissionais que as praticam.

Aborto Cirúrgico:

  • Por aspiração:
    • Até às 18 semanas de gestação.
    • Consiste em colocar uma cânula e realizar uma sucção.
    • Pode ser feito com analgesia acompanhada de anestesia local, com sedação e com anestesia geral, dependendo das semanas de gestação e da vontade da mulher. Uma equipa de profissionais avaliará o seu caso e você poderá decidir com a sua ajuda.
    • O tempo de permanência na clínica é de aproximadamente 2 a 6 horas.
  • Por dilatação e evacuação:
    • Normalmente após as 18 semanas.
    • Consiste em evacuar o útero com instrumentos específicos.
    • É sempre efetuado com anestesia geral.
    • O tempo de permanência na clínica é superior a 6 horas.

Aborto farmacológico:

  • Até às 7 semanas de gestação.
  • Consiste na toma de dois tipos de fármacos.
  • Deve-se proceder a duas tomas com um intervalo de dois dias, o que permite uma evacuação sem intervenção cirúrgica.
  • Requer, pelo menos, 2 visitas à clínica.
  • É provável sentir-se como se de uma menstruação abundante e dolorosa se tratasse.

Aborto Por indução:

  • Esta técnica pode ser utilizada em qualquer momento da gravidez, mas é recomendável após as 18 semanas.
  • Consiste em administrar uma combinação de fármacos (por vezes também dilatadores osmóticos), para dar origem a dilatação e contrações, e assim provocar o aborto. Esta técnica pode terminar com a extração através de instrumentos específicos.
  • Usa-se analgesia intravenosa juntamente com anestesia epidural, ou anestesia geral, conforme os casos.

Reduções embrionárias e Abortos seletivos:

Com a redução embrionária consegue-se eliminar vários embriões para atenuar alguns problemas associados a estas gravidezes múltiplas.

O aborto seletivo é praticado em gravidezes múltiplas quando um dos fetos apresenta malformações e o mesmo não interfere no desenvolvimento do feto saudável.

Anestesia e Analgesia:

Todos os nossos procedimentos médicos podem ser efetuados com anestesia e analgesia, já que contamos com uma equipa de profissionais que procura atingir e transmitir um elevado grau de confortabilidade ao longo do processo. Está entre os nossos objetivos evitar o medo, a ansiedade e a dor.